Assim como a economia, o mundo jurídico também sofre alterações a partir dos acontecimentos da política e do poder legislativo do país. E foi pensando nisso que montamos esse post para explorar os 7 ramos da advocacia mais promissores. Diversos acontecimentos são responsáveis pelas mudanças, e podemos citar a Reforma trabalhista, os debates sobre a reforma previdenciária, o aumento de crimes virtuais, e as mudanças advindas da lei 13.429/2017, que modificou as condições de terceirização pelas empresas. Essas e outras mudanças impulsionaram a busca por alguns ramos da advocacia, que são os que vamos falar a seguir.

As mudanças não vão parar, por isso, é importante que os escritórios fiquem atentos e vão atrás de recursos para conseguir se destacar da concorrência! Vamos conhecer então os 7 ramos da advocacia mais promissores para 2018? Provavelmente essas áreas vão se manter em alta nos próximos anos, já que muitas mudanças ainda estão sendo aplicadas.

7 Ramos da Advocacia mais promissores

1. Direito Digital

Se formos explorar o Direito Digital, encontraremos diversos setores. Diversos estudiosos acreditam que esse termo é leque de opções para aqueles ramos da advocacia que trabalham com questões relacionadas à tecnologia. O que acontece é que esse ramo vem crescendo anualmente, e isso se deve principalmente a inserção da tecnologia no cotidiano da população e a todos os problemas decorrentes da necessidade de regulamentação da área.

O profissional desse ramo, precisará ter conhecimentos jurídicos e técnicos. E a profundidade desses conhecimentos que irá dizer se o advogado poderá se destacar nesse ramo ou não.

2. Atuação Generalista

Sabemos da instabilidade do país, mas uma das propostas promissoras são os escritórios do tipo Full service, o que já é um cenário atual, visto que esse tipo de escritório vem crescendo cada vez mais em relação aos escritórios do tipo especializados. Essa diversidade de atuação garante ao negócio uma maior capilaridade, e uma maior possibilidade de atuação com os seus clientes.

Outro ponto interessante que fortalece essa tendência é que as grandes empresas continuam investindo em contratações de escritórios que sejam multidisciplinares. As áreas de departamentos jurídicos estão buscando interagir com advogados generalistas para alcançar melhores resultados, isso porque quando um especialista olha um caso, ele tende a avaliar sobre o ponto de vista apenas da sua especialidade, enquanto um generalista costuma avaliar a situação de forma mais ampla.

3. Contencioso Civil

O impulso desse ramo da advocacia se deve principalmente a atual conjuntura do país, a movimentação da economia, através de conflitos e de cobranças, que acarreta em um maior número de processos, por consequência.

Os escritórios e os advogados que trabalham nesse ramo costumam lidar com um grande volume de processos e atuam em questões judiciais ou arbitrais.

4. Compliance

A área de compliance é relativamente nova em relação aos outros ramos da advocacia. Ela exige experiência em auditoria, além de vivências nas áreas cível, contratual e administrativa. A explosão dessa área iniciou em 2005, quando surgiram os primeiros inquéritos da operação Lava-Jato, e desde essa época a procura por esse ramo é crescente.

Estar em “compliance” nada mais é que estar em conformidade com as leis e com os regulamentos, sejam eles internos ou externos. Ou seja, os escritórios que trabalham nesse ramo da advocacia precisam manter os seus clientes nas conformidades dos órgãos reguladores.

Normalmente, esses tipos de escritórios procuram evitar que os seus clientes precisem ir a tribunal para resolver questões jurídicas. Sendo assim, os profissionais desse ramo precisam, necessariamente, conhecer as normas e as leis com profundidade, para poder, assim, atender os seus clientes da melhor forma.

5. Arbitragem

A arbitragem veio à tona por ser uma forma que os advogados encontraram para lidar com a morosidade da Justiça Brasileira. Hoje em dia, esses processos já estão batendo recordes no país. Porque são uma forma rápida e fácil de resolver conflitos extrajudiciais no país.

Por ser uma menos burocrática, é um ramo da advocacia que vem crescendo nos últimos anos. Os árbitros são sempre escolhidos pelos próprios litigantes e por apresentarem soluções de maneira precisa, costumam agradar as empresas.

6. Direito trabalhista

A recente reforma trabalhista tem movimentado bastante a área, já que as novidades trazem diversas dúvidas para as empresas. E é por isso, que o cenário é bem favorável para aqueles profissionais que atuam como consultores desse ramo da advocacia. Ultimamente as ações têm sido bastante focadas em consultas de rotinas trabalhistas que poderiam ou não causar impacto para o cliente. Esse é um ótimo momento para se colocar à disposição do cliente durante esse período de adaptação.

7. Direito eleitoral

Estamos em época de eleições, e a procura por esses advogados aumenta consideravelmente. Já que são esses profissionais que acompanham os candidatos para garantir que tudo sairá dentro da lei. Mas o trabalho não termina após as eleições, é função desse profissional também defender o seu cliente em eventuais pedidos de cassação de posse. Além disso, os últimos acontecimentos tornaram a demanda desse ramo mais recorrente. Um exemplo é a lei Ficha Limpa que faz com que os partidos e os candidatos procurem os profissionais especializados nesses casos.

O nosso post se baseou em notícias pulicadas em sites como G1, Exame e avaliações publicadas pelo site da OAB. E você, o que achou das opções que levantamos sobre os Ramos da Advocacia em ascensão? Faltou alguma? Nos conta aqui nos comentários!

Júlia Gabbardo

Júlia Gabbardo

Psicóloga formada pela PUCRS. É atualmente uma das nossas grandes responsáveis pelo processo de Recrutamento e Seleção de Novos Talentos DOC9, desenvolvendo dinâmicas e práticas inovadoras para os colaboradores e futuros colaboradores da empresa. Atua continuamente em projetos de desenvolvimento de lideranças e de equipes e de satisfação dos colaboradores.

Deixar um Comentário